Projeto

Projeto de Intervenção
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  

Compartilhe | 
 

 Exercício pág.246 - Oficina de escrita

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin
Admin


Mensagens : 27
Data de inscrição : 26/02/2011

MensagemAssunto: Exercício pág.246 - Oficina de escrita   Ter Maio 24, 2011 6:38 am

Exercício pág.246 - Oficina de escrita
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://projectointervencao.foruns.com.pt
Ângela Sá



Mensagens : 9
Data de inscrição : 03/05/2011

MensagemAssunto: Re: Exercício pág.246 - Oficina de escrita   Qui Maio 26, 2011 1:28 am

Baltasar Sete-Sóis e Blimunda Sete-Luas são as personagens mais importantes da obra Memorial do Convento e as que possuem maior densidade psicológica.

Na verdade, a acção principal desta obra é a construção do Convento de Mafra mas, paralelamente a ela, encontramos uma acção que envolve Baltasar Sete-Sóis e Blimunda Sete-Luas. São estas personagens que estabelecem, muitas vezes, o fio condutor da intigra e que lhe conferem fragmentos de espiritualidade, de ternura, de misticismo e de magia.

No entanto, Blimunda é a figura que adquire maior centralidade por ser um elemento mágico que consegue ver “por dentro” das pessoas e das coisas. O seu poder permite-lhe ver e compreender as verdades mais profundas do mundo e possui uma sabedoria muito própria e cheia de sensualidade e amor verdadeiro.

Exemplo desta importância da relação entre estas duas personagens é o facto de esta obra ser considerada um romance histórico. Isto quer dizer, que trata memórias de um passado (histórico) mas, acima de tudo, retrata a relação de duas pessoas que se amavam de verdade.

Concluindo, podemos considerar que na obra Memorial do Convento , uma das acções mais importantes é a relação entre Blimunda e Baltasar.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Sofia G.



Mensagens : 3
Data de inscrição : 08/05/2011
Localização : Braga

MensagemAssunto: Re: Exercício pág.246 - Oficina de escrita   Sab Maio 28, 2011 5:53 am

As personagens Baltasar Sete-Sóis e Blimunda Sete-Luas são consideradas o casal da protagonista da narrativa, pois a obra desenvolve-se à volta deles.

Na verdade, estas duas personagens relacionam-se através da construção do Convento de Mafra. No entanto, a construção da passarola (o sonho de Bartolomeu de Gusmão) fez com que eles passassem mais tempo juntos, acabando assim por se envolverem a nível afectivo.

Porém, Blimunda derivado a ser dotada de poderes paranormais, podendo ver o interior das pessoas, é considerada uma “feiticeira para uns” e “sobredotada para outros”. Estes poderes permitem-lhe ver as verdades do mundo, possuindo uma sabedoria muito própria. Apesar de ela conseguir ver o interior das pessoas, não o faz em relação a Baltasar, pois o amor deles é forte e verdadeiro e ambos confiam plenamente um no outro.

Concluo-o assim, que a estas duas personagens Baltasar Sete-Sóis e Blimunda Sete-luas são fundamentais no decorrer desta obra Memorial do Convento.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ana



Mensagens : 1
Data de inscrição : 09/05/2011

MensagemAssunto: exercício pag. 246   Sab Maio 28, 2011 10:48 am

Apesar da acção principal desta obra ser a construção do convento de Mafra, existem duas personagens que são também muito importantes no desenrolar da história. São elas Baltazar e Blimunda.

Estas duas personagens são um casal que se apaixonou perdidamente desde a primeira vez que se viu, são duas personagens misteriosas e que se completam mutuamente. No entanto, Blimunda adquire, muitas vezes, um papel de maior relevo devido à sua capacidade de conseguir “ver por dentro” das pessoas. Foi desta forma que conseguiu recolher as “vontades” necessárias para a construção da passarola, que era o grande sonho do padre Bartolomeu Lourenço. Baltazar representa a crítica do narrador à desumanidade da guerra pois, depois de ter perdido a mão esquerda, é banido do exército. Daí ser, por vezes, considerado uma personagem singular, que apenas ganha relevo na história a partir do momento em que começa a sua relação com Blimunda e, consequentemente, ajuda na construção da passarola.

Por todas estas razoes, apesar de o amor deste casal não ser a acção principal deste romance adquire, então, paralelamente à construção do convento (parte histórica da obra), um papel tão importante quando esta.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Luís Fábio



Mensagens : 1
Data de inscrição : 06/05/2011

MensagemAssunto: Oficina de escrita (pag.246)   Seg Maio 30, 2011 5:09 pm

No Memorial do Convento, o casal real D. João V e D. Maria Ana Josefa, casam sem amor e somente por dever de dar um herdeiro à coroa Portuguesa, o que no século XVIII, era o mais comum das uniões contratuais. Este contrasta com a união não contratual de Baltasar e Blimunda.
Baltasar e Blimunda vivem um amor sem regras, natural e instintivo, entregando-se a jogos eróticos. A plenitude do amor é sentida no momento em que se amam e a procriação não é sonho que os atormente como sucede com os reis.
Baltasar representa na obra um operário consciente dos objectivos do seu trabalho, que não se deixa ir a baixo apesar das suas dificuldades físicas. O seu trabalho é visto com dignidade e exercido de forma autónoma e voluntária. Ele representa o sonho à medida que o seu trabalho progride, a sua expectativa e o seu entusiasmo aumentam.
Já Blimunda tinha poderes que a tornavam conhecedora dos bens e males interiores dos outros, mas recusa-se a olhar Baltasar por dentro.
Juntos formam o casal que, simbolicamente guardará os segredos dos infelizes, dos humilhados, dos condenados, dos oprimidos, mas que lutará sempre junto pela felicidade.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Marlene Sousa



Mensagens : 2
Data de inscrição : 09/05/2011
Idade : 26
Localização : Jesufrei - V.N.Famalicao

MensagemAssunto: Re: Exercício pág.246 - Oficina de escrita   Dom Jun 05, 2011 9:41 am

No Memorial do Convento existem duas linhas condutoras da acção: a construção do Convento de Mafra e a relação de Blimunda Sete-Luas e Baltasar Sete-Sois.

Ainda que, a acção principal seja a construção do Convento de Mafra: reinvenção da história pela ficção, entrelaçamento de dados históricos com a promessa de D. João V e o sofrimento do povo que trabalharam no Convento, situação económica do país, autos – de – fé e por fim a construção da passarola; existe Baltasar e Blimunda que são o casal que, simbolicamente, guardará os segredos dos infelizes, dos humilhados, dos condenados, enfim, dos oprimidos. Conhecem-se durante um auto – de – fé, levado a cabo pela Inquisição. Vivem um amor sem regras, natural e instintivo, entregando-se a jogos eróticos.

Blimunda torna-se assim, conhecedora dos outros nos seus bens e nos seus males pelo facto de ter poderes que mais ninguém tinha “vê o interior das pessoas”, herdou da mãe “um outro saber” e integra-se no projecto da passarola, porque, para o engenheiro voar, era preciso “prender” vontades coisa que só Blimunda, com o seu puder mágico, era capaz de fazer.

Concluo assim que, Baltasar e Blimunda são um casal pelo amor que os une, um só.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Joana Silva



Mensagens : 3
Data de inscrição : 08/05/2011

MensagemAssunto: Oficina de Escrita   Seg Jun 06, 2011 9:01 am

A obra Memorial do Convento tem como tema principal o povo, pois este é escravizado de uma maneira absurda no decorrer da construção do Convento de Mafra (principal acção da obra). Foi durante a construção do mesmo que Baltasar e Blimunda, duas personagens fundamentais, se conhecem e a partir daí dão asas a um amor raro.

Embora ambos sejam muito importantes na obra, Blimunda é evidentemente destacada pelo seu poder de “ver por dentro”, ela tem a capacidade de ver para além dos outros e perceber as verdades do mundo. Por outro lado, Baltasar só começa a ter reconhecimento próprio na obra quando conhece Blimunda. É assim que entre eles se desenrola um amor puro e absolutamente verdadeiro ao contrário do casal real D. João V e D. Maria Ana Josefa que apenas se casa pelo interesse da existência de um herdeiro.

Este romance histórico que surge em torno da relação entre Blimunda e Baltasar é fundamental nesta obra pois eles mostram uma das críticas que o povo faz relativamente ao casamento. Casamento este que está fora do ritual.

Por fim, este casal não é visto apenas como duas pessoas que estão intimamente relacionadas ou duas pessoas fortemente apaixonadas. Eles são denominados por Baltasar Sete-Sóis e Blimunda Sete-Luas pela relação complementar que estabelecem.



Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
PedroCaixinha



Mensagens : 2
Data de inscrição : 09/05/2011

MensagemAssunto: Re: Exercício pág.246 - Oficina de escrita   Seg Jun 06, 2011 12:21 pm

Na obra “Memorial do Convento” Blimunda Sete-Luas e Baltasar Sete-Sóis são duas das personagens principais.
Baltazar sete-luas e Blimunda sete-sóis foram uns dos criadores da Passarola (máquina de voar, idealizada e projectada pelo Bartolomeu Dias).
Blimunda tinha poderes sobrenaturais, esses poderes consistiam em recolher as vontades que as pessoas tinham, por causa da varíola que uma nau oriunda do Brasil, trouxe para Portugal. Blimunda recolhia as vontades e as pessoas deixavam de estar doentes. Essas mesmas vontades serviram mais tarde de combustível para a passarola.
Baltazar e Blimunda tiveram de cuidar da passarola que foi escondida. Durante a manutenção da máquina Baltazar decide dar uma volta na passarola, mas nunca mais voltou. Blimunda procurou-o durante nove anos, por todas as partes do país, até que em Lisboa, durante um auto de fé, reconhece Baltazar a caminho da fogueira. Quando Baltazar está para morrer, a sua vontade desprende-se e é finalmente recolhida dentro do peito da sua amada Blimunda.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
d4si_p119



Mensagens : 2
Data de inscrição : 09/05/2011

MensagemAssunto: Re: Exercício pág.246 - Oficina de escrita   Seg Jun 06, 2011 12:42 pm

Baltasar e Blimunda conhecem-se durante um auto-de-fé, levado a cabo pela Inquisição, e nunca mais deixaram de se amar. Vivem um amor sem regras, natural e instintivo. Um dia, Baltasar foi verificar os efeitos do tempo na passarola, mas Blimunda não o acompanhou e ele não voltou. Procurou-o durante 9 anos, infeliz de saudade, na sua sétima passagem por Lisboa encontrou-o entre os supliciados da Inquisição, a arder numa das fogueiras. Ambos estão apaixonados um pelo outro e representam um amor verdadeiro e eterno, ao contrário do amor interesseiro do rei D. João V para com a rainha.
Para concluir, apesar de Baltasar ser uma personagem bastante importante, posso afirmar que Blimunda também o é, porque é por meio da sua capacidade extraordinária de ver o que realmente há no mundo, que o narrador pode olhar dentro da história do século XVIII e desvendar as injustiças religiosos e morais, mostrando a corrupção da Igreja, os excessos da nobreza, bem como o investimento caríssimo de D. João V na construção do Convento de Mafra.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Zé Pedro



Mensagens : 2
Data de inscrição : 09/05/2011

MensagemAssunto: Re: Exercício pág.246 - Oficina de escrita   Seg Jun 06, 2011 2:57 pm

Baltasar Sete Sóis e Blimunda Sete Luas conhecem-se num auto de fé durante a construção do Convento, onde essa própria construção se baseia numa premonição de um frade que se o rei D.João mandasse construir o convento de Mafra, a sua mulher,

D.Maria Ana, dava-lhe um herdeiro que ele tanto desejava.
A acção principal de facto é a construção do Convento de Mafra, mas podemos considerar,também, a relação amorosa de Blimunda e Baltasar como uma das acções mais importantes e preponderantes do Memorial, pois a paixão que os une é sincera e,acima de tudo, recheada de amor.

Blimunda é uma personagem sobrenatural, digamos assim, pois tinha poderes que não eram normais, onde recolhia as vontades das pessoas e fazia assim com que elas recuperassem as suas doenças.

A relação entre eles, nem sempre foi boa, pois quando ajudaram na construção da passarola, Baltasar quis dar uma volta nela e nunca mais voltou, fazendo assim com que Blimunda o procurasse durante nove anos. O reencontro entre os dois foi doloroso, pois Blimunda reencontrou Baltasar a ser queimado num auto de fé.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ângelo8



Mensagens : 3
Data de inscrição : 08/05/2011

MensagemAssunto: Re: Exercício pág.246 - Oficina de escrita   Seg Jun 06, 2011 3:17 pm

O Memorial do Convento é uma obra que se destaca pela referência que faz ao povo escravizado na construção do Convento de Mafra. É importante salientar que a construção do Convento de Mafra é a principal acção da obra e, foi no decorrer da mesma que surgiram as duas personagens principais, Baltasar e Blimunda.
No seguimento da história, surge um romance entre as personagens, dotado de Amor verdadeiro, digno de um conto de fadas. Blimunda, é caracterizada pelos poderes paranormais que possuí, pela capacidade de “ver por dentro”, observar para além dos outros e perceber verdades sobre o mundo, possuindo uma sabedoria muito própria. Com isto, Blimunda, é considerada feiticeira para uns” e “sobredotada para outros” e, apesar de conseguir ver o interior das pessoas, não o faz em relação a Baltasar, pois o Amor deles é forte e verdadeiro e ambos confiam plenamente um no outro. Baltazar, adquire reconhecimento na obra quando conhece Blimunda e daí resulta um Amor puro e verdadeiro, contrariamente ao casal real D. João V e D. Maria Ana Josefa, que apenas se unem pelo interesse de gerar um herdeiro, capaz de assumir uma verdadeira riqueza.
Em suma, Baltasar Sete-Sóis e Blimunda Sete-Luas, são assim designados pela forte e apaixonada relação que criam neste cenário.



Hasta Cool
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
FSantos



Mensagens : 5
Data de inscrição : 09/05/2011

MensagemAssunto: Exercício pág.246   Ter Jun 07, 2011 3:27 pm

Baltasar e Blimunda são personagens fulcrais na obra Memorial do Convento.
Baltasar representa a crítica do autor à desumanidade da guerra naquela época, pois perdeu a mão e foi excluído do exército, reduzido à sua inutilidade e sem lhe ter sido dado qualquer tipo de prestígio. Mesmo em condições adversas (perda da mão), participou na construção do Convento de Mafra. Baltasar é visto, na obra, como um representante do povo devido a ser um homem com grande carácter e com muita força interior.
Blimunda é vista, pelo autor, como representante do transcendente e da inquietação humana acerca da morte, do amor, da existência de Deus e do pecado e por isso é que ela vive sem regras que a condicionassem ou escravizassem. Ela tinha o dom de "olhar as pessoas por dentro" e foi assim que percepcionou a hipocrisia e a mentira na sociedade em que estava inserida.
Estas duas personagens conheceram-se num auto-de-fé e lá se apaixonaram. Enquanto casal, representam um relacionamento sem compromisso, sem culpa, que serve de crítica à crítica que era feita ao casamento, na altura. Eles completam-se e essa completude torna-os imunes ao preconceito que os rodeia.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Exercício pág.246 - Oficina de escrita   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Exercício pág.246 - Oficina de escrita
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Pátio da Oficina de Locomotiva da ALL de Curitiba-Pr
» Oficina Engenheiro Bhering-Lavras MG
» Como é a sua rotina de cuidados?
» Pregação Silas Malafaia – Como identificar um verdadeiro Cristão
» Jesus é o próprio Deus

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Projeto  :: Português :: Projeto-
Ir para: